Gastronomia é um dos cinco motivos que atraem turistas a Salvador

GASTRONOMIA

Qual o segredo para uma receita perfeita? Na Bahia, a união dos saberes africanos, indígenas e portugueses deu origem a pratos divinos, passados de geração em geração, como a moqueca, o acarajé, o caruru, o vatapá e o bobó. Alimentos como esses são responsáveis pelo resultado do recente levantamento realizado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), que aponta a gastronomia como um dos cinco motivos de busca e preferência por Salvador para o turismo.

Este ano, a pesquisa que norteia as estratégias de atração para a capital baiana foi realizada nos meses de janeiro, maio e setembro. O primeiro motivo de preferência pela cidade apontado pelos visitantes foi a característica sol e praia, seguida por história e cultura, esportes náuticos, cidade da música e, por fim, gastronomia. Essas opções foram as respostas para o seguinte questionamento: o que te levou a procurar ou ter referência de Salvador?

Para o titular da Secult, Cláudio Tinoco, a citação da gastronomia como um dos atrativos reflete uma característica peculiar da cidade, que é a existência da comida típica. “Os destinos se constituem no mundo exatamente porque têm essa qualidade da comida típica. Aqui nós temos o acarajé e o dendê na base das comidas de origem africana. Essa é uma característica que coloca Salvador em vantagem em relação às demais cidades e os turistas ajudam a propagar essa característica local”, diz.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) Seção Bahia, Luiz Henrique do Amaral, lembra que o turismo de experiência é uma das tendências mundiais e tem a gastronomia como uma das principais atividades. “Temos muito a ofertar nesse quesito. A comida baiana carrega um aspecto cultural muito forte. Tem uma identidade que predomina e sobressai e que você vai encontrar no acarajé e no dendê, por exemplo”, afirma. Segundo ele, no verão desse ano, espera-se um faturamento 10% maior nos bares e restaurantes da cidade que o do verão do ano passado.

Foto: Jefferson Peixoto/Secom