Moraes Moreira e A Cor do Som lotam segunda edição do Acústicos no MAM

MÚSICA

Mais de 1 mil pessoas lotaram a segunda edição do projeto Acústicos no MAM no domingo 20/1, no Museu de Arte Moderna. O público pode se deliciar com o belo pôr-do-sol da Baía de Todos os Santos e curtir os show de Moraes Moreira e A Cor do Som. Foi um grande encontro que relembrou canções que marcaram a história da música brasileira.

Moraes Moreira fez um show de voz e violão, mas não faltou energia para contagiar o público. Ele fez todo mundo cantar sucessos de antigos carnavais como “Chão da Praça”, “Assim Pintou Moçambique”, “Pessoal do Alô”, além de canções da época dos Novos Baianos, como “Acabou Chorare”.

Moraes ainda recebeu no palco o amigo e parceiro de longa data Armandinho Macêdo, que também é guitarrista do grupo A Cor do Som. Juntos tocaram o repertório do trio elétrico “Armandinho, Dodô e Osmar”, como “Pombo Correio” e “Vassourinha Elétrica”. Para terminar, todos os músicos da A Cor do Som subiram no palco para cantar junto com Moraes a canção “Chame Gente”.

A Cor do Som fez um show especial em comemoração os 40 anos do grupo. A banda se apresentou com a formação original com Armandinho (guitarra e voz), Dadi (guitarra, baixo e voz), Mú Carvalho (teclado e voz), Gustavo Schroeter (bateria) e Ary Dias (percussão). Além deles, agora o grupo contou com as participações de Luiz Lopes e Pedro Dias, da banda Filhos da Judith.

No show eles contaram um pouco da história do grupo, falaram do novo álbum “A Cor do Som – 40 anos” e apresentaram seus maiores sucessos, como “Abri a porta”, “Alto astral”, “Beleza Pura”, “Swingue menina”, além das novas canções “Alvo certo” e “Somos da cor”. No bis, o cantor André Macêdo, irmão de Armandinho, apresentou com o grupo “Zanzibar”.

A relembrou a antiga relação entre Moraes e A Cor do Som, que vem desde os anos de 1970. O grupo começou a nascer no primeiro álbum solo do cantor, em 1975, recém-saído dos Novos Baianos. Estavam nessas gravações Dadi, Armandinho e Gustavo, além de Mú estreando profissionalmente em uma faixa.

O projeto Acústicos no MAM volta em fevereiro. As atrações serão confirmadas em breve. A iniciativa coloca o MAM alinhado com outros museus no mundo, que também têm aberto as suas portas para eventos que exploram outras linguagens. A ideia é aproximar o museu de outras manifestações artísticas e culturais, que vão além das artes visuais. O evento é uma realização da E33 Entretenimento, com apoio do Museu de Arte Moderna e do Governo da Bahia e patrocínio da Rappi, Sobieski, Beefeater e 99.

 

 

Foto: Divulgação