Sesc inicia temporada 2019 do Arte da Palavra

CULTURA

O Arte da Palavra – Rede Sesc de Leituras chega a sua terceira edição em março. Até dezembro, 84 artistas – como escritores, poetas, rappers, slammers, contadores de histórias, entre outros – percorrerão 93 cidades. Promovido pelo Sesc, o circuito nacional promoverá diferentes ações da cadeia da literatura, desde a formação e divulgação de novos autores, até a valorização das obras e escritores brasileiros e formas de produção literária. A programação inclui bate-papos, oficinas e apresentações poéticas.

Entre os destaques deste ano estão: o carioca Raphael Montes, autor de livros policiais; a escritora gaúcha Luisa Geisler, revelada pelo Prêmio Sesc de Literatura; a jovem poeta e slammer de Brasília Meimei Bastos; a autora paraense de literatura indígena Marcia Kambeba; o poeta paulista multifacetado André Vallias; e o contador de histórias Francisco Gregório Filho.

 

Sempre buscando evidenciar a literatura nacional, o Arte da Palavra é dividido em três Circuitos: Autores, voltado para divulgação de escritores; Oralidades, para contadores de histórias, saraus e apresentações que mesclam poesia com outras manifestações artísticas; e Criação Literária, que será composto por oficinas variadas, com o objetivo de exercitar a prática da escrita nas suas diferentes manifestações e também criar leitores com maior bagagem.

 

Lançado em 2017, o Arte da Palavra conta com uma curadoria coletiva, realizada por especialistas do Sesc de todo o país, que selecionam os escritores de Norte a Sul para participarem do circuito. No ano passado, cerca de 30 mil pessoas foram contempladas diretamente.

 

Números gerais de alguns dos Projetos do Sesc de Incentivo à leitura e formação de novos leitores e autores

 

BiblioSesc – caminhão itinerante de biblioteca

  • 57 unidades que percorre por ano em média 100 cidades
  • 40 mil pessoas atendidas por ano.
  • 3500 obras em cada unidade do BiblioSesc.
  • Considerando que são 57 unidades, o volume de acervo é de aproximadamente 200.000 exemplares.

 

Bibliotecas fixas

309

 

Números da falta de leitura

De acordo com, a pesquisa do IBOPE, a leitura ficou em 10º lugar quando o assunto é o que gosta de fazer no tempo livre. Perdeu para assistir televisão (73%), que, vale dizer, perdeu importância quando olhamos os

Em segundo lugar, a preferência é por ouvir música (60%). Depois aparecem usar a internet (47%), reunir-se com amigos ou família ou sair com amigos (45%), assistir vídeos ou filmes em casa (44%), usar WhatsApp outros anos da pesquisa: 2007 (77%) e 2011 (85%). (43%), escrever (40%), usar Facebook, Twitter ou Instagram (35%), ler jornais, revistas ou noticias (24%), ler livros em papel ou livros digitais (24%) – mesmo índice de praticar esporte.

Perdem para a leitura de um livro: desenhar, pintar, fazer artesanato ou trabalhos manuais (15%), ir a bares, restaurantes ou shows (14%), jogar games ou videogames (12%), ir ao cinema, teatro, concertos, museus ou exposições (6%), não fazer nada, descansar ou dormir (15%).

 

 

 

 

Foto: Divulgação